quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Bolo de Aniversário

Ele a convidara para a sua festa de aniversário, mas era um convite daqueles, só para constar, "impossível você ir", pensou. Algo como quando a gente compra um chocolate e oferece: "você não quer um pedaço?" Já está sugerindo que não, ora essa, chocolate é coisa que não se oferece. Ou não deveria, pelo menos.

Bom, o fato é que o chocolate foi oferecido. "Vai lá, haha, Bar do João em Ipanema, você sabe onde fica? Às 9 horas." "Tá, até lá, então". O que faria alguém acreditar que ela iria? Nada, caramba, eram infindáveis as impossibilidades e as improbabilidades e outros "ins" por aí. Muitos quilômetros de distância, via terrestre, aérea ou marítima. Sem chance. O "até lá" com cara de ironia nem mesmo chegou a ficar martelando na cabeça dele, que inutilidade.

Quinta de noite, todo mundo arrumadinho, contando as histórias de quinta, mas a cerveja não era de quinta não, que o pessoal gostava daquela marca que tem o nome de quem gosta de viver de noite. Estava meio frio, aquilo não era clima de mês de primavera não! E ele sequer olhou para o lado para ver se ela estaria. Ela não estava mesmo. Ele ficou lá, curtiu sua noite, recebeu os parabéns e ficou se perguntando por que sempre, em qualquer bar, restaurante ou pizzaria, todos que estão naquele lugar cantam "nesta data querida", se nem mesmo conhecem o fulano a quem se está homenageando. "Deve ser histeria coletiva", que todo mundo é mesmo meio doente. E maluco.

E lá se foi a noite, e não veio ninguém importante que tenha sido citado no início desta história. Não houve bilhetinho secreto enviado pelo garçom, dizendo que ela esperava na sala ao lado (pra que sua namorada não soubesse!), nem mesmo ela apareceu de supresa na mesa, dizendo que era uma ex-colega de faculdade e esperando uma cara de assombro dele. Também não havia ninguém na porta da saída, à espreita, nem mesmo na esquina.

Na verdade, ela está em casa, com a testa sobre as teclas do computador, chorando, porque o maldito do táxi fora assaltado naquele fim de tarde, o que a impediu de pegar o avião, que ia deixá-la no aeroporto, pra depois ir pra um tal de Bar do João, em Ipanema, pra escrever um bilhetinho, pra esperar na esquina ou pra aparecer de surpresa na mesa. Qualquer um desses planos que ela tinha bolado.

E alguém, ainda que não deva, ofereça um chocolate pra essa mulher, pelo amor de deus, porque chocolate, dizem, ajuda a acalmar.

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Pois é, amiga Lisi, a coisa não tá fácil mesmo. Não sei se é o mês de agosto, ou se, no meu caso, é uma depressão pós-parto retardada. O fato é que tá tudo meio trancado neste último mês. E quando o dia tá lindo e a gente acorda cantando Beatles, sempre tem um paspalho pra estragar tudo.

Vou aproveitar a brecha do post pra fazer algo que eu to precisando: gritar.

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh, que odioooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo!
Seu $%¨&#$&¨%$*¨%$$$#

Valeu.

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Faz duas noites que não durmo muito bem, meu filhotinho sente este frio exorbitante que está fazendo e acaba passando mal à noite. Então coloco ele pra dormir comigo e acabo não dormindo o sono dos deuses... Mas sentir o cheirinho dele é tão bom...

Acontece que, não sei se por conta disso, ando meio nervosa. E nervosa de verdade, meu cabelo está caindo muito, tenho acessos de tremedeiras e estou com uma paciência curtíssima. A aula de hoje foi um exemplo claro: eu estava tão sem paciência que entrei em pânico quando uma guria começou a contar o que ela tinha feito com os alunos dela. O problema todo é que a guria não tinha controle de volume na boca, e em vez de falar, ela berrava. Bem nos meus ouvidos. Affff.

Comecei a tarde com aquela vontade de chorar no cantinho. De saudades, de vontade de voltar pra casa e ficar com a única pessoa que me faz esquecer das agruras diárias: o Augusto. Mas, já que não dava, fiquei eu aí, num ócio tremendo, sem nada pra fazer aqui na Câmara. A não ser ir lendo para o meu TC. Ou jogando conversa fora.

A questão é que, depois dessa tarde sem sal e das conversas com tempero amargo, eu acabei chorando no cantinho mesmo.

E pretendo encerrar aqui a série de posts tristonhos e muito íntimos. Quero resgatar a idéia inicial deste blog, que seria falar de literatura. Ou falar literariamente. Ou então nem falar mais nada.

A Teresa agora vai ser (ou gostaria, pelo menos) só superfície.

Trilha Sonora:

Eu Não Consigo Ser Alegre o Tempo Inteiro
Wander Wildner
Composição: Wander Wildner

Você sempre surge em minha mente
Sempre você e ninguém mais
É de você que eu me lembro
Sempre você e ninguém mais, e ninguém mais, e ninguém mais

Eu sempre tento e não consigo
Então às vezes quando a noite chega
Eu fico só comigo mesmo
E só me resta a saudade como companhia, como companhia

Eu não consigo ser alegre o tempo inteiro
Eu não consigo ser alegre o tempo inteiro
Eu não consigo
Eu não consigo ser alegre o tempo inteiro
Eu não consigo ser alegre o tempo inteiro
Eu não consigo

Você sempre surge em minha mente
Sempre você e ninguém mais
É de você que eu me lembro
Sempre você e ninguém mais, e ninguém mais, e ninguém mais
Você diz que não me quer mais
E que agora eu sou seu grande amigo
Você me quer só a metade
Mas pra mim você está em toda a parte, em toda a parte

Eu não consigo ser alegre o tempo inteiro
Eu não consigo ser alegre o tempo inteiro
Eu não consigo
Eu não consigo ser alegre o tempo inteiro
Eu não consigo ser alegre o tempo inteiro

Eu vo fazer o ieieie
Eu vo fazer o ie,ie,ie
Eu sou o rei do ieieie



E fim.

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

Engraçado como funciona a memória. Há pessoas que têm memória olfativa, outras, memória visual, enfim.

Minha memória é musical e a partir de roupas. Eu pego uma roupa no armário e já começo a lembrar onde eu estive, o que eu fiz com aquela camisa rosa, aquela bota vermelha, aquele vestido verde, aquela calça preta e aquela jaqueta branca. Música, então, nem se fala! É como se fosse uma etiqueta para tal lembrança...


Estou precisando parar de ouvir algumas músicas.
Estou precisando me desfazer de muitas roupas.


***


A Adriana me deu carona ontem pra ir embora e não entendeu meu estado de nervos quando eu entrei no carro. Ainda bem que o Enrico estava tão, mas tão divertido, que cheguei em casa com a alma leve.

***

O problema todo não é o que foi dito. É o como foi dito. É o que eu vi, a partir do que foi dito. É aquilo que me demonstrou quem disse.

Uma pena, mas eu entendi.

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

Sexta-feira mais murrinha essa. Chuva, frio (de novo, não agüento mais!) e nada de trabalho pra fazer. Por que eu esqueci meus livros em casa, diabos? Por que eu não posso ir pra casa e ficar afofando o meu nenê?

Sabe o que eu estou com vontade de responder a tudo o que me perguntarem?

BLÉ.

quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Taí o resultado do tombo na segunda-feira:






To falando, Agosto é mês de sorte! Humpf.

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Esse cheiro de setembro, esse ar morno não andou me fazendo muito bem...

Saí de casa com uma estranha sensação, pensando que, enquanto eu batia a porta às minhas costas, outras pessoas estariam alimentando meu filho e dobrando meu pijama que eu usara à noite.

Para essa agonia que me perturbou, encontrei tradução na economia: estou terceirizando minha vida.

E será que não foi isso o que fiz sempre, mas de forma não tão prática? Deixar que outros decidissem por mim?

O mal-estar se agravou quando minha mãe ligou contando as peripécias do Augusto. Gracejos que eu não pude ver... Quantos deles haverá...

Acabei olhando para a minha camisa de botão e lembrando de um trem azul, aquele da música do Lô Borges. O sol bateu na minha cabeça, mas eu entristeci.

terça-feira, 14 de agosto de 2007

Il gran finale

A segunda-feira, que começou aos trancos e barrancos e teve um fato que havia acabado com meu dia, me reservou mais uma, para "chutar cachorro morto":

Eu, estatelada no chão, no meio do saguão da ULBRA, bem no horário de entrada de aula. Um pé e um pulso torcido.

Quer coisa melhor???

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

Droga de pé esquerdo!

Algumas pessoas são tão auto-suficientes que não páram pra ouvir o que você tem a dizer e já saem achando que entenderam tudo. Entenderam uma ova! Como isso me irrita, dizer uma coisa e ser entendida outra, só por pura birra.
Aprende, Teresa: os bonzinhos só se ferram. O dia que você parar de querer salvar o mundo e ajudar a todos, você vai começar a se incomodar menos.
Pois foi isso que aconteceu e que acabou com meu dia, que já havia começado aos trancos e barrancos.

RRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRR

(nada mal para uma segunda-feira)

***

A coisa mais triste do mundo é quando você tem algo de bom para oferecer e o seu destinatário rejeita a oferta, seja ela amor, boa vontade ou leite do peito. Pois é, o Augusto se indignou com meu retorno ao trabalho e não quer mais saber de leite materno, só mamadeira. E eu que fique com a febre do leite empedrado... (o que é muito pior que a própria dor do parto, um horror)
Quanto às outras alternativas, bom, também posso me enquadrar em alguma delas...

quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Saturación

"Dejaré esta rosa
en el abandono

el abandono
está lleno de rosas"

(Mário Benedetti)

Perfeito.

terça-feira, 7 de agosto de 2007

Os medos noturnos foram de ordem completamente distintas, mas medo é sempre medo. Deixa as mãos frias e vazias.

***

Dona Teresa tonta só agora se deu conta: Augusto não dormiu esta noite e queria só colo porque foi o primeiro dia que eu passei longe, ele estava com saudades, pobrezinho. E eu achando que era manha.

***

Recomeço em grande estilo: reunião polêmica, seguida de uma solene, trabalhar até as dez da noite e ter que acordar amanhã às cinco e meia pra ir pra aula. É dose.

***

A idéia está saltitando na minha cabeça, um novo conto. Falta é tempo.

E por hoje é só.

domingo, 5 de agosto de 2007

Domingo

São onze e meia da noite, está tudo em silêncio por aqui. Já pus a fraldinha noturna no Augusto, já amamentei e já o fiz dormir. Agora ele ressona no bercinho, enquanto eu estou aqui, escrevendo meu trabalho de conclusão.

Parei para olhar em volta e calcular minha nova rotina para amanhã, dia em que encerro uma fase da minha vida (mais uma) e recomeço outra. Volto a trabalhar. Preciso contabilizar horários, os minutos da manhã serão sagrados: devo dividi-los entre o banho do Augusto, a mamadeira, as roupinhas que devem ficar lavadas e passadas, o almoço e, por fim, minha roupa para trabalhar, meu banho, minha arrumação. Ufa. Só de pensar já me deu uma canseira.

Volto à vida de antes, às pessoas de antes, mas com uma visão de mundo bem diferente. Acho que melhor, ainda não sei avaliar.

O que eu não quero é que esta seja uma noite de insônia. Não pelo Augusto, claro, porque ele é um amor, sempre dorme a noite toda. Mas temo pelo resquício de uma Teresa que vai voltar, de uma Teresa que tinha muita insônia, de uma Teresa que se iludiu e se estrepou, de uma Teresa muito CDF que se preocupa demais com os deveres (profissionais, acadêmicos e domésticos). Bom, é melhor parar de filosofar, isso ativa demais o pensamento e isso não é bom a essa hora da noite. Não pra quem quer dormir.

Vou lá pôr meu pijama. Amanhã será um novo dia e espero que seja bom.

Boa noite.